Anistia

Author: Dr. Hannibal /

Ontem o juiz Gustavo Santini Teodoro, da 23ª Vara Cível do estado de São Paulo deu ganho de causa a família de militantes do PCdoB torturados durante a Operação barriga Verde entre 1970 e 1974 no processo contra o coronel da reserva Carlos Alberto "Brilhante" Ustra, chefe do DOI-Codi - torturador de carteirinha durante o Regime Militar - essa decisão inédita no país me deu motivos para públicar aqui o texto que escrevi para o Jornal A Noticia e que não foi públicado. É com ele que abro meu Blog!
Em 2008, a “democracia republicana” nos permite dizer o que nos convém, quando nos convém.
Há uns dias atrás assisti um vídeo no qual um deputado, eleito pelo povo por meio do “direito obrigatório” do voto, disse em alto e bom tom: “O erro foi torturar e não matar”.
Isso me fez voltar 44 anos. Naquele 1º/04/1964 as Forças Armadas defenestraram nossos sonhos de um país melhor e usurparam nossos direitos com um Golpe Militar.
Não nos submetemos. Fomos à luta. Pessoas contrárias ao regime recusaram-se a se calar, buscando a reabertura política. Tudo mudou em 1968. No meio do fervor mundial, Paris, Praga, Vietnã... Aqui estudantes foram às ruas, os trabalhadores cruzaram os braços e a luta armada surgiu. Atentados contra as Forças Armadas (não como no episódio do Rio-centro, ou os senhores já se esqueceram?), expropriação de bancos e políticos (bancos que lucravam milhões enquanto a pobreza crescia desenfreadamente ou como o então governador de São Paulo, Adhemar de Barros que tinha 2,6 milhões de dólares escondidos com sua amante no Morro Santa Tereza/RJ), aviões seqüestrados (em troca de militantes “sumidos” pela polícia) e seqüestros de cônsules e embaixadores estrangeiros (que com suas multinacionais remetiam milhões de dólares para fora do país). Ps: alguém sabe por que o embaixador americano Charles Elbrick foi banido pelos militares depois de ser libertado?
O governo dizendo agir em nome da democracia baixou o Ato Institucional nº 5 (AI-5), permitindo e estimulando seus órgãos de segurança a seqüestrar, torturar e até matar seus “inimigos”. Depois disso a pátria sangrou com a dor de famílias que ainda esperam para enterrar os corpos de seus entes queridos.
Contudo, fomos às ruas aos milhares lutar pela Anistia, e conseguimos. Mesmo que engambelados pelos militares. Pois, sendo ampla e irrestrita, a Anistia impedia-os de responder por seus crimes. Mas, valeu a pena! Os filhos dessa “mãe gentil” retornaram para lutar pela abertura política.
Hoje a lei de Anistia está sendo revista e a discussão é acirrada, o medo de alguns fica sob a esperança de muitos.
O mérito da questão não é o revanchismo e sim a tortura. Se os que lutaram contra a ditadura, torturaram os algozes de nossa cidadania, que sejam condenados com os verdugos dos porões do DOPS. Apresentem provas Excelentíssimos Generais!
Hoje dizem que sou “contaminado pela ideologia comunista/socialista”,(o mesmo que se diz de todo aquele contrário a ordem vigente desde a Revolução de Outubro, que derrubou o TZAR) se essa ideologia lutar pela igualdade social no campo e na cidade, sim, sou contaminado (melhor do que pela Veja ou a Novela das 8). Porém, prefiro acreditar que sou um cidadão buscando o direito à vida e à dignidade humana.

1 comentários:

CENTRO ACADÊMICO LIVRE DE HISTÓRIA EUNALDO VERDI disse...

adicione o blog do CALHEV

calhev.blogspot.com

Postar um comentário